terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Viajar de carro - veja as multas



Vai viajar?

Veja o que diz a lei

Artigo 173: disputar corrida.
Penalidade: multa (dez vezes R$ 191,54), suspensão do direito de dirigir e apreensão do veículo

Artigo 174: promover demonstração de perícia, eventos e exibição, ou deles participar, como condutor, sem permissão da autoridade.
Penalidade: multa (dez vezes R$ 191,54), suspensão do direito de dirigir e apreensão do veículo

Artigo 175: demonstrar ou exibir manobra perigosa, mediante arrancada brusca, derrapagem ou frenagem com deslizamento de pneus.
Penalidade: multa (dez vezes R$ 191,54), suspensão do direito de dirigir e apreensão do veículo

Artigo 191: forçar passagem entre veículos que, transitando em sentidos opostos, estejam na iminência de passar um pelo outro ao realizar ultrapassagem
Penalidade: multa (dez vezes R$ 191,54) e suspensão do direito de dirigir

Artigo 202: Ultrapassar pelo acostamento ou em passagens de nível e interseções
Penalidade: multa (cinco vezes R$ 191,54)

Artigo 203: ultrapassar pela contramão nas curvas, aclives e declives, sem visibilidade suficiente; nas faixas de pedestre; nas pontes, viadutos ou túneis; parado em fila junto a sinais luminosos, porteiras, cancelas, cruzamentos; ou onde houver marcação viária longitudinal de divisão de fluxos opostos do tipo linha dupla contínua ou simples contínua amarela.
Penalidade: multa (cinco vezes R$ 191,54)

Artigo 292: A suspensão ou a proibição de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor pode ser imposta isolada ou cumulativamente com outras penalidades

Artigo 302: Praticar homicídio culposo na direção de veículo automotor
Penalidade: reclusão de dois a quatro anos e suspensão ou proibição de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor

Artigo 303: Praticar lesão corporal culposa na direção de veículo automotor
Penalidade: aumenta-se a pena de 1/3 à metade, se ocorrer qualquer das hipóteses do parágrafo primeiro do artigo 302

Artigo 306: conduzir veículo automotor com capacidade psicomotora alterada em razão da influência de álcool ou de outra substância psicoativa
Parágrafo II: a verificação do disposto neste artigo poderá ser obtida mediante teste de alcoolemia ou toxicológico, exame clínico, perícia, vídeo, prova testemunhal ou outros meios de prova em direito admitidos, observado o direito à contraprova.

Parágrafo III: o Contran disporá sobre a equivalência entre os distintos testes de alcoolemia ou toxicológicos para efeito de caracterização do crime tipificado

Artigo 308: participar na direção de veículo, em via pública, de corrida, disputa ou competição automobilística não autorizada pela autoridade competente, gerando situação de risco.
Penalidade: detenção, de seis meses a três anos, multa e suspensão ou proibição de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir

Fonte: O Povo Online e Estadão


Fonte: O Povo Online e Estadão

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Verão no Rio Grande do Sul

Para conhecimento nacional e reconhecimento regional:
  
Está chegando o verão e com ele o veraneio, como chamamos aqui no Sul.
Não sei se vocês, de outros Estados, sabem, mas temos o mais fantástico litoral do País: de Torres ao Chuí, uma linha reta, sem enseadas, baias, morros, reentrâncias ou recortes. Nada!
Apenas uma linha reta, areia de um lado, o mar do outro.
Torres, aliás, é um equívoco geográfico, contrário às nossas raízes farroupilhas e devia estar em Santa Catarina.
Característica nossa, não gostamos de intermediários.
Nosso veraneio consiste em pisar na areia, entrar no mar, sair do mar e pisar na areia.
Nada de vistas deslumbrantes, vegetações verdejantes, montanhas e falésias, prainhas paradisíacas e outras frescuras cultivadas aí para cima.
O mar gaúcho não é verde, não é azul, não é turquesa.
É marrom!
Cor de barro iodado, é excelente para a saúde e para a pele! E nossas ondas são constantes, nem pequenas nem gigantes, não servem para pegar jacaré ou furar onda. O solo do nosso mar é escorregadio, irregular, rico em buracos. Quem entra nele tem que se garantir.
Não vou falar em inconvenientes como as estradas engarrafadas, balneários hiper-lotados, supermercados abarrotados, falta de produtos, buzinaços de manhã de tarde e de noite, areia fervendo, crianças berrando, ruas esburacadas, tempestades e pele ardendo, porque protetor solar é coisa de fresco e em praia de gaúcho não tem sombra. Nem nos dias de chuva, quase sempre nos fins-de-semana, provocando o alegre, intermitente, reincidente e recorrente coaxar dos sapos e assustadoras revoadas de mariposas.
Dois ventos predominam, em nosso veraneio: o nordeste – também chamado de nordestão – e o sul, cuja origem é a Antártida.
O nordestão é vento com grife e estilo... estilo vendaval.
 Chega levantando areia fina que bate em nosso corpo como milhões de mosquitos a nos pinicar. Quem entra no mar, ao sair rapidamente se transforma no – como chamamos com bom-humor – veranista à milanesa. A propósito, provoca um fenômeno único no universo, fazendo com que o oceano se coloque em posição diagonal à areia: você entra na água bem aqui e quando sai, está a quase um quilômetro para sul. Essa distância é variável, relativa ao tempo que você permanecer dentro da água.
Outra coisa: nosso mar é pra macho!
Água gelada, vai congelando seus pés e termina nos cabelos. Se você prefere sofrer tudo de uma vez, mergulhe e erga-se, sabendo que nos próximos quinze minutos sua respiração voltará ao normal: é o tempo que leva para recuperar-se do choque térmico.
Noventa por cento do nosso veraneio é agraciado pelo nordestão que, entre outras coisas, promove uma atividade esportiva praiana, inusitada e exclusiva do Sul: Caça ao guardassol. Guardassol, você sabe, é o antigo guarda-sol, espécie de guarda-chuva de lona, colorida de amarelo, verde, vermelho, cores de verão, enfim, cujo cabo tem uma ponta que você enterra na areia e depois senta embaixo, em pequenas cadeiras de alumínio que não agüentam seu peso e se enterram na areia.
Chega o nordestão e... lá se vai o guardassol, voando alegremente pela orla e você correndo atrás. Ganha quem consegue pegá-lo antes de ele se cravar na perna de alguém ou desmanchar o castelo de areia que, há três horas, você está construindo com seu filho de cinco anos.
O vento sul, por sua vez, é menos espalhafatoso. Se você for para a praia de sobretudo, cachecol e meias de lã, mal perceberá que ele está soprando. É o vento ideal para se comprar milho verde e deixar a água fervente escorrer em suas mãos, para aquecê-las.
Raramente, mas acontece, somos brindados com o vento leste, aquele que vem diretamente do mar para a terra. Aqui no Sul, chamamos o vento leste de ‘vento cultural’, porque quando ele sopra, apreendemos cientificamente como se sentem os camarões cozinhados ao bafo.
E, em todos os veraneios, acontece aquele dia perfeito: nenhum vento, mar tranquilo e transparente, o comentário geral é: “foi um dia de Santa Catarina, de Maceió, de Salvador” e outras bichices. Esse dia perfeito quase sempre acontece no meio da semana, quando quase ninguém está lá para aproveitar. Mas fala-se dele pelo resto do veraneio, pelo resto do ano, até o próximo verão.
Morram de inveja, esta é outra das coisas de gaúcho!
Atenta a essas questões, nossa indústria da construção civil, conhecida mundialmente por suas soluções criativas e inéditas, inventou um sistema maravilhoso que nos permite veranear no litoral a uma distância não inferior a quinhentos metros da areia e, na maioria dos casos, jamais ver o mar: os famosos condomínios fechados.
A coisa funciona assim: a construtora adquire uma imensa área de terra (areia), em geral a preço barato porque fica longe do mar, cerca tudo com um muro e, mal começa a primavera, gasta milhares de reais em anúncios na mídia, comunicando que, finalmente agora você tem ao seu dispor o melhor estilo de veranear na praia: longe dela. Oferece terrenos de ponta a ponta, quanto mais longe da praia, mais caro é o terreno. Você vai lá e compra um.
Enquanto isso a construtora urbaniza o lugar: faz ruas, obras de saneamento, hidráulica, elétrica, salão de festas comunitário, piscina comunitária com águas térmicas, jardins e até lagos e lagoas artificiais onde coloca peixes para você pescar. Sem falar no ginásio de esportes, quadras de tênis, futebol, futebol-sete, se o lago for grande, uma lancha e um professor para você esquiar na água e todos os demais confortos de um condomínio fechado de Porto Alegre, além de um sistema de segurança quase, repito, quase invulnerável.
Feliz proprietário de um terreno, você agora tem que construir sua casa, obedecendo é claro ao plano-diretor do condomínio que abrange desde a altura do imóvel até o seu estilo.
O que fazemos nós, gaúchos, diante dessa fabulosa novidade? Aderimos, é claro.
Construímos as nossas casas que, de modo algum, podem ser inferiores às dos vizinhos, colocamos piscinas térmicas nos nossos terrenos para não precisar usar a comunitária, mobiliamos e equipamos a casa com o que tem de melhor, sobretudo na questão da tecnologia: internet, TV à cabo, plasma ou LCD, linhas telefônicas, enfim, veraneamos no litoral como se não tivéssemos saído da nossa casa na cidade.
Nossos veraneios costumam começar aí pela metade de janeiro e terminar aí pela metade de fevereiro, depende de quando cai o Carnaval. Somos um povo trabalhador, não costumamos ficar parados nas nossas praias.
Vamos para lá nas sextas-feiras de tarde e voltamos de lá nos domingos à noite. Quase todos na mesma hora, ida e volta.
É assim que, na sexta-feira, pelas quatro ou cinco da tarde, entramos no engarrafamento. Chegamos ao nosso condomínio lá pelas nove ou dez da noite. Usufruímos nosso novo estilo de veranear no sábado – manhã, tarde e noite – e no domingo, quando fechamos a casa.
Adoramos o trabalhão que dá para abrir, arrumar e prover a casa na sexta de noite, e o mesmo trabalhão que dá no domingo de noite.
E nem vou contar quando, ao chegarmos, a geladeira estragou, o sistema elétrico pifou ou a empregada contratada para o fim-de-semana não veio.
Temos, aqui no Sul, uma expressão regional que vou revelar ao resto do mundo:

                                   -Graças a Deus que terminou esta bosta de veraneio!    



texto de Paulo Wainberg retirado da Internet

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Cardapio com 15 receitas de shake

Um menu com 15 receitas de shake, tem 1200 calorias por dia e pode ajudá-la a secar até 5 quilos em um mês. Combine as opções de refeições como preferir (você pode eleger um café da manhã e repeti-lo nos dias que quiser). Para um melhor resultado, o ideal é fazer um exercício físico, como 45 minutos de caminhada, três vezes por semana.

Cardápio

Café da manhã (8 h)

Opção 1: Shake tropical (bata ½ copo/100 ml de água, 1 fatia fina de abacaxi, 4 morangos, ½ col./sopa de folhas de hortelã e 1 col./sobremesa de linhaça) + 1 fatia de pão de fôrma (sem glúten, de preferência) com 4 fatias finas de peito de peru

Opção 2: Shake hidratante (bata 1 copo/200 ml de água-de-coco, ¼ de papaia e 1 col./sobremesa de linhaça) + 1 fatia de pão de forma (sem glúten, de preferência) com 3 fatias de tofu, azeite e orégano

Opção 3: Shake proteico de pera (bata 1 copo/200 ml de água, ½ pera, ¼ de papaia, 1 col./sobremesa de linhaça, 1 col./sopa de quinua em flocos e 2 col./sopa de protein).

Opção 4: Shake de banana (bata 1 copo/200 ml de leite de soja light, 1 banana pequena, ½ col./sopa de aveia em flocos e 1 col./sobremesa de linhaça)

Opção 5: Shake de clorofila (bata 1 copo/200 ml de água-de-coco, ½ prato/sobremesa de couve-manteiga, 1 fatia grossa de melão, 1 col./sobremesa de linhaça e gelo) + 2 torradas integrais light com 2 claras de ovo mexidas

Lanche (10 h)

Opção 1: Shake de chá-verde (bata 1 maçã grande, 1 col./sopa de folhas de hortelã e 1 copo/300 ml de chá-verde)
Opção 2: Shake anticelulite (bata 1 copo/200 ml de água-de-coco, 1 fatia fina de abacaxi, 1 fatia fina de melão, ½ col./sopa de salsinha, ½ col./sobremesa de linhaça, gelo e ½ col./sopa de protein)
Opção 3: Shake betacaroteno (bata 1 copo/200 ml de água-de-coco, ¼ de manga e ¼ de cenoura)
Opção 4: 1 taça de salada de frutas
Opção 5: Shake refrescante (bata ½ copo/100 ml de suco de limão, ¼ de cenoura, ½ copo/100 ml de água, 1 fatia fina de abacaxi e 1 talo de salsão)

Almoço (12h30)

Opção 1: Salada verde (1 prato/sobremesa de alface, 3 fatias de tomate, 3 col./sopa de brócolis e salsinha picada) + 2 col. (sopa) de arroz integral + ½ concha média de feijão + 1 sobrecoxa de frango sem pele e assada + Fruta (kiwi ou goiaba)

Opção 2: Salada tropical (½ prato/sobremesa de agrião, ½ prato/sobremesa de alface, 3 fatias de tomate, 2 col./sopa de cenoura ralada, 2 col./sopa de ervilha fresca cozida, 3 col./sopa de chuchu cozido, 2 col./sopa de milho e 1 fatia fina de abacaxi) + 1 posta média (100 g) de peixe (salmão, badejo) grelhado ou assado + Fruta (laranja ou mexerica)

Opção 3: Salada com rabanete (2 rabanetes, 2 col./sopa de broto de feijão, ½ prato/ sobremesa de alface e 3 fatias de tomate) + 2 col./sopa de arroz integral + 3 col./sopa de lentilha + 1 hambúrguer de peru grelhado + Fruta (8 morangos)

Opção 4: salada com beterraba (1 prato/sobremesa de alface, 3 col./sopa de beterraba ralada e ½ pepino) + Macarrão ao pesto de manjericão (¼ xíc./chá de macarrão integral com pesto: ½ xíc./chá de manjericão fresco batido com ½ dente de alho, 1 col./sobremesa de azeite, 1 castanha-do-pará e pouco sal) + Almôndega cozida ou assada (2 unidades médias/100 g) + Fruta (caju, kiwi ou pêssego)

Opção 5: Salada completa (1 prato/sobremesa alface, 3 fatias de tomate, 3 col./sopa de chuchu, 3 col./sopa de cenoura cozida e 3 claras de ovo cozidas) + Arroz com peito de peru (¼ de xíc./chá de arroz integral com 2 col./sopa de peito de peru em cubos) + Fruta (1 fatia grossa de abacaxi com hortelã picada)

Lanche (16 h)

Opção 1: Shake proteico de goiaba (bata 1 copo/200 ml de suco de goiaba light e 3 col./sopa de protein)

Opção 2: Shake proteico de uva (bata ½ copo/100 ml de suco de uva concentrado, ½ copo/100 ml de água e 2 col./sopa de protein)

Opção 3: Shake de abacate (bata 1 copo/200 ml de leite de soja light e 1 col./sopa abacate) + 2 castanhas-do-pará

Opção 4: Shake de laranja e uva (bata 5 uvas itália sem pele e sem semente, suco de 1 laranja, 1/2 copo/100 ml de água, 1 col./sopa de limão, ¼ col./sopa de hortelã) + 4 amêndoas

Opção 5: Shake proteico de morango (bata 1 copo/200 ml de leite de soja light, 1 xíc./chá de morango, 1 col./sobremesa de quinua em flocos, ½ col./sobremesa de linhaça e gelo)

Jantar (19 h)

Opção 1: Sopa de legumes e quinua (refogue ½ cebola pequena e 2 col./sobremesa de alho-poró picado com 1 col./chá de óleo. Acrescente ½ cenoura e ½ abobrinha picadas, 2 buquês de couve-flor, 2 copos/400 ml de água e pouco sal. Junte 1 e ½ col./sopa de quinua em flocos depois da sopa pronta) + 1 filé médio (100 g) de peixe (pescada, linguado ou namorado) cozido, grelhado ou assado + Fruta (pêssego, goiaba ou caju)

Opção 2: Salada com grão-de-bico (1 prato/sobremesa de alface crespa, 3 fatias de tomate, ½ pepino, 2 col./sopa de grão-de-bico e 3 col./sopa de chuchu) + 1 filé médio (100 g) de frango grelhado + Creme de papaia (bata ¼ de papaia, 1 xíc./chá de água, gelo, 3 gotas de essência de baunilha e 1 col./sopa de protein. Junte 2 col./sopa de suco de uva concentrado depois de pronto)

Opção 3: Shake protéica de ameixa (bata ¼ de maçã, 2 ameixas secas, 1 col./sopa de protein, 1 copo/200 ml de água e gelo) + 2 fatias de pão de fôrma (sem glúten, de preferência) com patê de tofu e cenoura (bata 4 fatias de tofu com 2 col./sopa de cenoura, 2 azeitonas verdes, 1 col./chá de cebola, 1 col./sobremesa de azeite, limão e pouco sal) + Fruta (5 uvas)

Opção 4: Salada completa (1 prato/sobremesa de alface, ½ prato/sobremesa de agrião, 1 castanha-do-pará picada, ½ manga pequena, 1 kiwi, ¼ cenoura ralada, 3 tomates-cereja) + 2 torradas integrais com patê de atum (misture ¼ de lata de atum light, ½ palmito e ½ tomate picados e 1 col./sobremesa de azeite)

Opção 5: Salada de folhas escuras (½ prato/sobremesa de agrião, ½ prato/sobremesa de alface roxa, 2 rabanetes pequenos, 1 pêssego médio, 1 castanha do-pará e ½ tomate) + Omelete: (1 ovo pequeno com 2 claras, 2 col./sopa de milho, ½ cenoura ralada, ½ cebola e ½ tomate picados, salsinha e pouco sal)

Ceia (21 h)

Opção 1: Fruta (1 fatia grossa de melão ou 2 ameixas vermelhas)

Opção 2: 2 damascos secos

Opção 3: 1 gelatina diet de frutas vermelhas

Opção 4: ½ pera cozida com suco de laranja, cravo-da-índia, canela em pau e adoçante

Opção 5: 1 copo (200 ml) de água-de-coco


Estamos focados em criar produtos de alta qualidade e tecnologia! 
(Dr. Louigi Gratton, Vice-Presidente de Educação). 

terça-feira, 2 de dezembro de 2014